O que fazer com seu celular velho?

Provavelmente a primeira coisa que você pensa é vender pra um colega ou dar pro irmão mais novo. Mas se seu celular estiver ruinzinho demais pra isso, o G1 separou algumas sugestões do que fazer com ele:

1) E-book

Não será nem um pouco parecido um Kindle, mas seu smartphone antigo pode dar conta das funções básicas de um e-book. Existem vários apps para isso, como Moon+, Aldiko, Cool Reader ou o próprio app de Kindle, disponível para plataformas iOS, Android ou Windows Phone. Eles permitem que você converta seu antigo smartphone em um e-reader e assim você evita gastar a bateria do seu novo celular em viagens, por exemplo.

Usar o celular velho como e-book ajuda a economizar a bateria do novo em viagens  (Foto: ThinkStock/ BBC)
2) Câmera de segurança

Pode ser que você não esteja disposto a comprar uma câmera de segurança para a casa por considerar isso um gasto excessivo. Mas agora que você tem um novo celular, pode usar o velho para este fim.

Baixando um aplicativo, você já consegue transformar seu celular em câmera de segurança (Foto: ThinkStock/ BBC)

Nesse caso, você também precisará de um app. Há vários gratuitos disponíveis: Security Cam, Videoüberwachung, IP-Kamera, o vMEye, entre outros.

Também é importante colocar o velho celular ligado a uma tomada, principalmente se você quiser que a câmera grave durante um período mais longo, como por exemplo, durante férias. E você ainda pode acompanhar tudo que sua nova câmera de segurança está registrando com um outro celular ou com um computador.

3) Para reproduzir mídias

Um smartphone pode servir perfeitamente como um HD externo, para armazenar dados. E com o cabo adequado para conectá-lo a uma televisão (dependendo da entrada dela, se USB ou HDMI), é possível também reproduzir esse conteúdo na tela maior.  Você sempre conseguirá reproduzir o conteúdo em streaming diretamente das páginas onde ele está hospedado, sem ter que baixar ou salvar qualquer coisa no seu celular. Nesse caso, o aparelho servirá apenas como transmissor de dados.

4) Computador

Sim, seu celular antigo também pode ser um computador, ainda que com pouca memória. Nesse caso, você também não precisará de um chip: com uma conexão sem fio, você poderá navegar pela web, acessar redes sociais e criar documentos de texto, além de jogar, escutar música, etc.

E para você ‘transformar’ o smartphone antigo em um computador, só precisará conseguir uma tela maior e um teclado para ele: a primeira coisa é simples, porque hoje existem adaptadores para conectar o telefone a praticamente qualquer tipo de monitor externo. E o segundo item é possível conseguir comprando um teclado sem fio e ativando o Bluetooth do celular, para conectar um ao outro.

Assim, sem muito esforço e, na maioria dos casos, sem nenhum gasto, você terá um novo aparelho em casa.

Captura de Tela 2015-07-04 às 19.18.35

Anúncios

Top 5 tretas domésticas

 Texto de Roberta Garattoni*

Algumas partes da casa têm, por natureza, potencial pra dar merda problema quando menos se espera. Se você vai morar sozinho em uma casa ou apê antigos, vale fazer uma revisão inicial para detectar de cara o que está em vias de estragar. Se você já mora nesse lugar há tempos e nunca rolou nada, também é bom dar uma olhada – você pode estar dando sopa pro azar.

1) Eletricidade na veia
A lista de possíveis problemas é longa: derreter a instalação do chuveiro, pegar fogo na caixa de luz, queimar lâmpadas com frequência, levar choque na torneira. Tomar banho de chinelo de borracha não vai resolver e o perigo é grande. Peça para um eletricista fazer uma revisão. Pode ser que o fio da instalação original seja muito fraco para aquele chuveiro poderoso que você inventou de colocar, por exemplo, e isso pode causar um acidente sério.

2) Entrando pelo cano
Enfrentar alagamentos dentro de casa é impensável em época de racionamento de água, certo? Em casas antigas, pode haver infiltrações e, muitas vezes, as torneiras, sifões e canos em geral são originais do projeto, lá de “mil novecentos e bolinha”, apodrecendo em silêncio. Ralos entupidos também não devem ser ignorados e até o tal do “courinho”, que fica dentro da torneira, pode ser uma treta se estiver velho. Um especialista pode checar a iminência de um dilúvio doméstico.

3) Cárcere privado
Trincos e fechaduras velhos são um prato cheio para dor de cabeça. Pode ser uma boa trocar por novinhos em folha e evitar uma eventual prisão no banheiro ou mesmo ficar com a chave emperrada na porta de entrada da casa.

4) Poltergeist cerâmico
Isso é mais raro, porém mais assustador do que todos os itens anteriores. Depois de vários anos, pode ser que azulejos ou pisos frios se manifestem espontaneamente, estourando em pedaços de uma hora pra outra. Parece um fenômeno paranormal, mas é apenas uma reação à pressão e grandes variações de temperatura (e outras coisas que não sei explicar). Nesse caso, a prevenção é manter a saúde mental em dia para não sair correndo e falando sobre fim do mundo quando isso acontecer na sua casa.

5) Faca na caveira
Seja para fazer uma revisão preventiva ou para bancar inúmeros reparos ao longo do tempo, você vai gastar uma grana razoável e imprevisível. Se sua casa for alugada, lembre-se sempre de informar o proprietário sobre a necessidade de reparos estruturais, que devem ser reembolsados. Para não ficar na dependência das agendas de profissionais avulsos, uma ideia é contratar um seguro residencial, daqueles disponíveis junto com seguro de carro, cartão de crédito, etc, e saber que pode contar com uma solução no mesmo dia para uma série de contratempos – como os três alagamentos e quatro princípios de incêndios que enfrentei em poucos anos de vôo solo!

*Roberta Garattoni, tem 30 anos, é RP e mora em São Paulo.